Facebook

Image Map

16 de outubro de 2017

Central de Regulação inicia contato com pacientes para realização da cirurgia eletiva

Insert alt text here

A Central de Regulação do Município de Mossoró começou o contato com os pacientes que estão na fila de espera das cirurgias eletivas. O secretário de Saúde, Benjamin Bento, orienta aos pacientes que não é necessário ir até a Central. “Não há necessidade de correria, a equipe da Central de Regulação será responsável pelo contato com os pacientes e dará as orientações necessárias”, disse.
Aqueles pacientes que mudaram o número de telefone após o cadastro na central é que devem procurar o setor, que fica localizado na Secretaria de Saúde, no Centro Administrativo da Cidadania Prefeito Alcides Belo, no bairro Aeroporto.
Para a realização da cirurgia é necessário que o paciente realize uma série de exames, incluindo o de risco cirúrgico. Esses exames serão realizados no Centro Clínico Profº Vingt-Rosado, o PAM do Jardim. “Os exames pré-operatórios, pós-operatórios e os exames complementares serão de responsabilidade do município, o PAM do Bom Jardim já está sendo estruturado para atender essa demanda”, falou Benjamin Bento.
Os hospitais habilitados para a realização das cirurgias são o Hospital Wilson Rosado, Associação de Assistência e Proteção a Maternidade e a Infância de Mossoró (APAMIM) e a Liga Mossoroense de Estudos e Combate ao Câncer. Serão realizadas 400 cirurgias por mês, distribuídas nos 3 Hospitais. O Hospital Wilson Rosado e a APAMIM serão responsáveis pela realização de 50 cirurgias ortopédicas, 50 gerais e 50 ginecológicas por mês. A Liga realizará 100 cirurgias por mês, sendo 50 gerais e 50 ginecológicas.
O contrato foi firmado com os hospitais e estes serão responsáveis pelas equipes médicas que realizarão as cirurgias e também pelo cronograma de agendamento que será montado a partir da extratificação do tipo de cirurgia, essa etapa já foi concluída pela equipe da Central de Regulação. Hoje a fila de espera por uma cirurgia eletiva no município está com mais de mil pacientes. A expectativa é zerar a fila até o final do ano.