Facebook

Image Map

5 de setembro de 2017

Fátima foi a senadora que mais gastou cota parlamentar em 2017


Os três senadores que compõem a bancada do Rio Grande do Norte já utilizaram, apenas em 2017, R$ 482.720,87 da cota parlamentar a que têm direito no Senado Federal. Os dados, relativos ao período entre janeiro e julho, além de parte do mês de agosto, estão disponíveis no Portal da Transparência.
Dos três senadores, quem mais gastou até o momento foi Fátima Bezerra (PT), que está em seu primeiro mandato. Apenas em 2017, a petista consumiu R$ 192.460,85 dos cofres públicos, sendo a maior despesa relacionada à compra de passagens aéreas (R$ 75.533,53) no trajeto entre Natal e Brasília. Além disso, só o aluguel de um imóvel para sediar o escritório político da senadora custou, nos primeiros oito meses do ano, R$ 58.261,54.
A senadora Fátima gastou, ainda, com aquisição de material de consumo (R$ 4.178,02), locomoção, hospedagem, alimentação e combustíveis (R$ 18.742,12), contratação de serviços de apoio (R$ 11.032,00), divulgação de atividade parlamentar (R$ 22.100,00) e serviços de segurança privada (R$ 2.613,64).
Em segundo lugar em termos de gastos aparece o senador José Agripino Maia (DEM). De janeiro a agosto desde ano, o democrata desembolsou R$ 160.233,52 com gastos diversos que foram indenizados pelo Senado Federal. No caso de Agripino, o maior gasto neste período foi com o item locomoção, hospedagem, alimentação e combustíveis, no que o parlamentar gastou R$ 65.955,44.
Os outros gastos dele foram com aluguel de imóvel para sediar escritório político (R$ 17.725,75), aquisição de material de consumo (R$ 3.500,04), contratação de serviços de apoio (R$ 4.300,00), divulgação de atividade parlamentar (R$ 4.000,00), passagens aéreas (R$ 31.422,21) e segurança privada (R$ 33.330,08).
Por fim, o senador potiguar que menos gastou recursos públicos foi Garibaldi Alves Filho (PMDB). O peemedebista gastou, ao longo dos oito meses de 2017, R$ 130.026,50. No caso dele, o maior gasto foi com passagens aéreas (R$ 51.821,13).
Além disso, foram gastos R$ 19.953,54 com aluguel de imóvel para sediar escritório político, R$ 13.176,24 com aquisição de material de consumo, R$ 32.749,53 com locomoção, hospedagem, alimentação e combustíveis, R$ 11.751,66 com contratação de serviços de apoio e apenas R$ 574,40 com segurança privada. O peemedebista foi o único dos três senadores que não gastou com divulgação de atividade parlamentar.
Os gastos com cota parlamentar não incluem os salários dos senadores.
CEAPS
Estabelecida pelo Ato n° 5/2014 da Mesa Diretora do Senado Federal, a Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar dos Senadores (CEAPS) cobre despesas diversas relacionadas ao exercício parlamentar. Por mês, os senadores têm direito a R$ 15 mil, mais o gasto com passagens aéreas, limitado a cinco trechos de ida e volta – da capital do estado de origem para Brasília, e vice-versa. O pagamento da indenização acontece contra apresentação de documento fiscal dos gastos efetuados pelo parlamentar.
CARGOS COMISSIONADOS
O Portal da Transparência do Senado Federal mostra também o número de cargos comissionados que os parlamentares têm em seus gabinetes. Dos três potiguares, o que mais têm pessoal lhe servindo é José Agripino, com 50 cargos comissionados. São 28 profissionais lotados no seu gabinete e 22 no escritório de apoio. O número é superior ao número de cargos comissionados lotados nos gabinetes de Garibaldi Alves Filho (43) e Fátima Bezerra (36).

*AgoraRN