27 de junho de 2017

Festas juninas: fogueiras e fogos de artifícios podem causar ou agravar sérios problemas respiratórios

Resultado de imagem para fogueira festa junina

As tradicionais festas juninas são cercadas de muita diversão e alegria. Mas é importante aproveitar o período com muita atenção. Especialistas pedem para ter cuidado com as fogueiras e os fogos de artifícios.

O alergologista Sidney Souteban, do Hapvida, alerta que a fumaça das fogueiras e fogos de artifícios é um misto de gases nocivos à saúde e que, mesmo em curto período de tempo, inalar fumaça pode causar efeitos imediatos (agudos), como a irritação dos olhos, nariz e garganta. “A fumaça, dependendo do que esteja sendo queimado, da distância em que a pessoa esteja e do tempo de inalação, pode desencadear alergias como asma, rinite ou até mesmo um quadro de intoxicação. Tudo isso se desencadeia dos gases tóxicos, como o monóxido de carbono (CO) e o cianeto, que são liberados nesse processo”, explica.

O risco é ainda maior para pessoas que já têm problemas respiratórios, que tendem a ter mais facilidade em adquirir novos problemas. Pra prevenir, elas devem evitar o contato com fogueiras, fogos de artifícios e outros tipos de fumaça. “Para elas, o seguro é ficar bem longe dessa emissão de gases. Além dos pacientes que já sofrem com esses problemas, as crianças e os idosos merecem atenção especial, pois ambos são suscetíveis a terem alergias respiratórias ou alguma infecção viral”, destaca Sidney Souteban.

O alergologista acrescenta que em caso de intoxicação por gases, como o monóxido de carbono, o procedimento é encaminhar a um atendimento de emergência e oferecer imediatamente oxigênio ao paciente. “Inalar o monóxido de carbono diminui o suprimento de oxigênio do corpo, que pode causar dores de cabeça, reduzir o estado de alerta e agravar uma condição cardíaca conhecida como angina (dor no peito decorrente da doença cardíaca isquêmica)”, alerta.
Sidney Souteban observa que, caso o atendimento médico não seja possível, é primordial levar o paciente para um local aberto e arejado, longe da fonte dos gases.

A fumaça pode ser considerada um “veneno” para os pacientes asmáticos. E para evitar crises da doença, o paciente deve manter distância permanente de qualquer fumaça, mesmo que seja a de cigarro. “Em casa, os ambientes devem estar sempre limpos e arejados, principalmente o quarto. O indivíduo também deve evitar locais com poeira e mofo”, complementa o alergologista.