Facebook

Image Map

7 de fevereiro de 2017

Secretaria de Saúde cria Comitê Municipal para enfrentamento ao mosquito Aedes Aegypti

Exibindo Criação do Comitê Municipal.jpg

A Secretaria de Saúde realizou na manhã desta terça (07) reunião com a participação de entidades, igrejas e representantes da sociedade civil para discutir estratégias para enfrentamento ao mosquito Aedes Aegypti. A ideia é a formação de uma rede solidária, onde a população possa se engajar. O resultado foi a criação do Comitê Municipal, com as primeiras ações já definidas.

O secretário Benjamin Bento apresentou dados do cenário epidemiológico em Mossoró relacionado às principais arboviroses, que são as doenças causadas pelos chamados arbovírus, que incluem o vírus da Dengue, Zika Vírus, Febre Chikungunya e Febre Amarela. Segundo dados informados pelo titular da Saúde, em 2016, foram 3.459 casos notificados e 3.016 confirmados de Dengue. Já a Febre Chikungunya foram 4.400 notificados e 4.221 confirmados. A última informação sobre o Zika apontava 794 notificações.

Já o LIRA, que é o Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes Aegypti, com dados de novembro de 2016, apresenta 3,9%. Para o Ministério da Saúde, esse número indica risco de epidemia de Dengue.

De acordo com Benjamin, a ideia é ouvir as propostas e trabalhar ações conjuntas, como um verdadeiro mutirão para reduzir os índices. “Estamos lançando a proposta de uma mobilização contínua que possa contar com a adesão de empresas, entidades e universidades. É uma tentativa de unir forças para enfrentar o mosquito, o vetor dessas doenças que apresentam risco de mortalidade quando não são tratadas adequadamente. Por isso precisamos pensar a prevenção de forma eficaz”, defendeu.

O Comitê Municipal, criado nesta manhã e que conta com a adesão de 10 integrantes das mais diversas representações, já tem a primeira ação definida. O bairro Sumaré receberá as equipes no próximo dia 13.  “Essa foi uma comunidade escolhida pela vulnerabilidade, pois apresenta índice de infestação superior a 4% e isso ocorre devido o próprio processo de urbanização. As atividades com agentes de endemias ocorrerão durante cinco dias no bairro”, explica Benjamim, que cita ainda que as reuniões do Comitê Municipal serão mensais, onde devem ser deliberadas novas ações.