Facebook

Image Map

12 de dezembro de 2016

Assembleia homenageia cinco personalidades estaduais pelo ativismo cultural




Augusto Maranhão, Diógenes da Cunha Lima, Flávio Freitas, Ubirajara Galvão (in memoriam) e Pedrinho Mendes, serão homenageados com a Medalha do Mérito Cultural Luis da Câmara Cascudo 2016, na próxima quarta-feira (14), às 9h, no plenário Clóvis Motta, na Assembleia Legislativa do RN.
 
“Enaltecer quem busca valorizar nossas expressões culturais é estimular que mais pessoas façam o mesmo. O Rio Grande do Norte é um celeiro artístico nos mais diversos segmentos. Porém o resgate histórico, a valorização do iniciante nas artes, a análise do legado do trabalho realizado e o vislumbre da inovação e do estilo tem que ser sempre realizado. A Medalha do Mérito Cultural Luis da Câmara Cascudo tem este propósito”, justifica o deputado Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB), presidente da Assembleia Legislativa.
 
O Mérito Cultural visa destacar para a sociedade as ações que cada personalidade realiza no seu dia a dia, em nome da arte. As rotinas destas pessoas estão ligadas a arte independente de exercerem carreiras distintas ao cenário artístico. A cultura está impregnada em suas vidas como elemento essencial.
 
Vejamos o exemplo de Luiz Augusto Maranhão Valle. Graduado em Direito pela UFRN em 1984. Atuou como juiz classista nos Tribunais Regionais do Trabalho da Paraíba e do Rio Grande do Norte, entre 1992 e 1998 e como delegado regional da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP). É empresário de Transporte Público desde 1978. É historiador, associado-fundador da Fundação Rampa, associação da Associação dos Ex-alunos e Amigos do Núcleo de Preparação dos Oficiais da Reserva (NPOR) e Âncora do Programa Conversando com Augusto Maranhão voltado para a valorização da cultura e história do povo potiguar.
 
O poeta Diógenes da Cunha Lima, é natural de Nova Cruz. Formou-se em Direito na UFRN em 1963. Exerceu vários cargos e funções. Educador e intelectual, sempre atuou na literatura, tendo publicado, em 1968, seu primeiro livro de poesias – “Lua 4 vezes Sol”. O segundo livro foi em homenagem ao folclorista Luís da Câmara Cascudo, “Câmara Cascudo - Um Brasileiro Feliz”, que já se encontra em sua 3ª edição; seguiram-se várias outras obras como: “Instrumento Dúctil”, “Corpo Breve”, “O Homem que Pintava Cavalos Azuis” – uma biografia de Djalma Marinho; “Natal, Poemas e Canções”, “Poemas versus Prelúdios”, “Os Pássaros da Memória”; “Livro das Respostas” (face ao “Libro de las preguntas”, de Pablo Neruda) 2ª edição; “A Memória das Cores”; “Natal Biografia de uma Cidade”; “Solidão, Solidões, Uma Biografia de Dinarte Mariz”, 2ª edição; “A Avó e o Disco Voador”, “Memória das Águas”; “Tendresse”, livro de poesia, publicado em Charleville – França ; “O Trem da Minha Vida” e “Sob um Olhar Azul”.Publicou também gravações musicais em CD, como “O Alfabeto e Outras Canções Infantis”, “Celebração” (parceria com Nelson Freire), “Flor de Liz”, além de canções populares com diversas interpretações. Continua em pleno exercício da advocacia, sem deixar de lado uma de suas grandes paixões – a arte de escrever, sendo, inclusive, o atual Presidente da Academia Norte-rio-grandense de Letras.
 
Flávio Freitas é um artista brasileiro, potiguar, com formação em arquitetura e música. Entre os mais premiados do Rio Grande do Norte. Nascido em 1961, ativo como artista a partir 1982 atua profissionalmente desde 1998 com ateliê instalado no bairro histórico da Ribeira. O artista plástico é filho de uma natalense com um baiano, carioca de nascimento, mas potiguar de coração.  O que faz dele um carioca com DNA 100% nordestino.
 
O arquiteto Ubirajara Galvão será homenageado in memoriam. Ele foi o responsável por projetos arquitetônicos que entraram para a história urbanística de Natal desde os anos 60. O arquiteto concebeu a Escola de Música da UFRN, além de projetos no interior do Rio Grande do Norte, em outros estados e até mesmo em países da América Latina. Ubirajara Galvão, falecido em 2005, é de Currais Novos, no sertão seridoense do Estado, região da qual o arquiteto tinha raízes muito fortes. Foi pintor, ator e cenógrafo.
 
Na quarta-feira também será homenageado Pedrinho Mendes. Cantor e compositor, um dos principais destaques da música do Rio Grande do Norte. Natural de Parnamirim (RN), iniciou a carreira profissional em 1980 e apresentou suas canções pelo Brasil e na Itália. Autor de Linda Baby, conhecido como hino não-oficinal de Natal, Pedro Mendes lançou dois LPs, recebeu vários prêmios, participou de grandes projetos e, pelo trabalho que desenvolveu ao longo de 35 anos, conquistou o reconhecimento de estrelas da música popular brasileira, como Moraes Moreira, Lenine e Gilberto Gil, cuja parceria For a Hungry Man teve seu registro audiovisual gravado recentemente pelo projeto Som Sem Plugs.
 
Atualmente, Pedro Mendes vem se atualizando e desenvolvendo uma técnica própria como instrumentista. Em 2016, recebeu uma homenagem do festival Música Alimento Da Alma (MADA) pelos 35 anos de Linda Baby e continua cantando e compondo.