Facebook

Image Map

10 de dezembro de 2016

Agripino era chamado de “gripado” em esquema de corrupção da Lava Jato, diz delator

Nas oitenta e duas páginas entregues ao Ministério Público Federal, o ex-vice-presidente institucional da Odebrecht, Cláudio Melo Filho, contou às autoridades da Operação Lava Jato como a empresa fazia doações de caixa dois a políticos e acabou revelando os apelidos pelos quais eles eram chamados dentro da empreiteira.
As inspirações são as mais diferentes. O senador Romero Jucá (PMDB-RR), era conhecido como “Caju”. O deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA), era o “Missa”. O senador José Agripino (DEM-RN), era o “Pino” ou “Gripado”, em alusões ao sobrenome.
Os times de coração foram lembrados para os deputados Rodrigo Maia (DEM-RJ), chamado de “Botafogo”, e Marco Maia (PT-RS), o “Gremista”.
A lista da Câmara dos Deputados é variada. O deputado cassado, Eduardo Cunha, do PMDB, era o “Caranguejo”. O deputado Duarte Nogueira (PSDB-SP) era conhecido como o “Corredor”. Antônio Brito (PSD) tinha o apelido de “Misericórdia”.
Arthur Maia (PPS) era o “Tuca”. E tem ainda o deputado Heráclito Fortes (PSB-PI), o “Boca Mole”. E o ex-deputado pelo PL Inaldo Leitão, conhecido como o “todo feio”.