21 de novembro de 2016

RN é o 4° estado com maior taxa de homicídio e 16° lugar no ranking de mais perigoso do País

Imagem relacionada
De acordo com estudo da consultoria Macroplan, São Paulo é o estado com o melhor índice de segurança do Brasil.
Para chegar a essa conclusão, e formar o ranking, a consultoria cruzou informações da taxa de homicídios com a taxa de óbitos por acidente de trânsito das 26 unidades federativas e o Distrito Federal em 2014. Quanto mais próximo de 1 for o índice do local, melhor é o seu desempenho.
Na capital paulista, que ficou com índice de 0,866, cerca de 13 pessoas são assassinadas por ano a cada grupo de 100 mil habitantes – a taxa é duas vezes menor do que a média nacional, de 29 mortes a cada cem mil.
Quem encabeça a segunda colocação no ranking dos estados mais seguros é o Amazonas, que ficou com o saldo de 0,761. O Rio Grande do Sul aparece em terceiro, com índice de 0,745.
Do outro lado, Mato Grosso foi o que recebeu o título do local mais perigoso do Brasil. A taxa de homicídio do estado está entre as 10 maiores do país: 42 mortes a cada 100 mil habitantes. O Rio Grande do Norte ocupa a 16° colocação. Em compensação, a taxa de homicídios no RN é classificada como a quarta maior do Brasil.
No quadro geral, boa parte dos estados brasileiros deixou a desejar. Em dez anos (2004-2014), 19 das 27 unidades da federação reduziram a sua nota no estudo. Ou seja, houve uma piora na área.
SEGURANÇA NO TRÂNSITO
O segundo indicador analisado pela consultoria revela que, por ano, 22 brasileiros em cada grupo de 100 mil morrem em acidentes de trânsito. Esse resultado, porém, não é dos melhores. O país da América do Sul com o melhor desempenho é o Chile. Por lá, a taxa de óbitos nas estradas é bem menor: 12 mortes a cada 100 mil habitantes.
O estado brasileiro que mais se aproxima da referência internacional é o Amazonas, onde a taxa é de 13 a cada grupo de cem mil. Já o Piauí, é o lugar onde a morte no trânsito é mais frequente: 40 óbitos a cada 100 mil piauienses – o dobro da taxa nacional. 


Fonte: Exame