29 de novembro de 2016

Márcia Maia cobra política de Geração de empregos no Estado

http://www.al.rn.gov.br/portal/_ups/arquivos/2015/05/28/18f20788d4149e1fa9e62f4c03c97ea2.jpg

Empregabilidade. Esse foi o tema que balizou o pronunciamento da deputada Márcia Maia (PSDB) em pronunciamento na sessão plenária da Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (29), quando falou sobre a situação econômica e financeira do Rio Grande do Norte. A deputada registrou que em outubro último o Estado atingiu o pior saldo de empregos, desde setembro de 2003, quando foi iniciada a série publicada pelo Ministério do Trabalho no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED).

“O Estado eliminou  736 empregos com carteira assinada em outubro. Neste ano, foram perdidas 11.790 vagas, enquanto nos últimos 12 meses foram mais de 16.693. Isso, infelizmente é uma notícia que todos têm conhecimento. Contudo, é uma realidade da qual não podemos fugir, mas que podemos superar. O cenário de crise tem forçado empresas a reduzir a produção, promover demissões, e, em muitos casos, fechar as portas”, afirmou Márcia.

A parlamentar frisou que o momento é crítico para todos, empresários, trabalhadores, gestão pública e a sociedade em geral. Nesse sentido, segundo ela, é preciso encontrar alternativas à crise.

”Um primeiro caminho, que passa especialmente pelo setor público, é a criação de um cenário  de estabilidade. O Estado pode e deve buscar a arrecadação sem a necessidade de aumento de impostos para preencher as faltas da administração”, disse Márcia.

Ela destacou que é preciso promover a capacitação de mão de obra para setores em que há demanda reprimida, como a área tecnológica, e, paralelamente a isso, atrair investimentos nesses setores específicos.

“É necessária uma política forte e arrojada de qualificação profissional, pois não sabemos qual é a política para geração de emprego no Rio Grande do Norte. O empresário acaba importando mão de obra. Não estou só cobrando. Quero que o Governo acerte. Cumpra a sua parte. Recupere a capacidade de investimento e que tenha uma política clara e transparente na área de emprego”, salientou Márcia.